dezembro 22, 2014

Sugestão: Eduque o seu Filho ... A brincar

Artigo retirado de: 
http://lifestyle.sapo.pt/familia/pais-e-filhos/artigos/eduque-o-seu-filho-a-brincar?pagina=2

Eduque o seu Filho ... A brincar...
A educação é um assunto sério mas quem disse que não se aprende recorrendo a métodos mais lúdicos? Saiba o que dizem dois especialistas espanhóis, autores de um livro sobre o tema.


Come a sopa, está na hora de deitar, toca a despachar que já estamos atrasados... Se repete estas palavras vezes sem conta e não vê surtir o efeito desejado talvez esteja na altura de mudar de adordagem. Ajudar a criança a interiorizar e cumprir as regras é a missão de «Vamos jogar!», um livro do pediatra Eduard Estivill, escrito em parceria com Yolanda Sáenz de Tejada, escritora, que sugere abordagens mais light para favorecer o processo educativo em família.

Nas suas páginas encontrará, para cada situação quotidiana, uma atividade lúdica que, na opinião do autor, Eduard Estivill, que concedeu uma entrevista à Saber Viver, é uma maneira agradável e divertida de incutir bons hábitos e até de lidar com a derrota. «A criança deve aprender que nem sempre ganha», defende o especialista, que assegura que as brincadeiras em família são uma fonte de prazer de pais e filhos. Entre no jogo!

Qual a importância da brincadeira no desenvolvimento da criança?

A criança precisa basicamente de distração e de atividade. Os jogos permitem exercitar estas duas características da sua personalidade.

E os pais também aprendem?

Evidentemente. Graças ao afeto, recebem recompensas de comunicação. A criança sente-se mais segura e, por sua vez, os pais sentem-se mais felizes ao verem como ela vai aprendendo bons hábitos, mesmo sem se dar conta.

Que jogos infantis são mais indicados?

Normalmente todos os jogos têm uma componente educativa. Seja aprender a partilhar e, o mais importante, aprender a perder. A criança deve aprender que nem sempre ganha e que, para conseguir as coisas, é preciso lutar e fazê-las muito bem. Educar na frustração é uma forma adequada de ensinar. Isto pode ser difícil no início mas, com paciência, conseguimos incuti-lo aos nossos filhos.

Atualmente, muitos pais são acusados de ter uma relação demasiado cúmplice com os filhos, em que os papéis de adulto e criança não se distinguem. Concorda?

Estou totalmente de acordo. Hoje em dia, os pais, devido ao pouco tempo que têm, tendem a superproteger os filhos, esquecendo-se um pouco de impor limites e regras. Isso até é compreensível, mas devem fazer um esforço para entender que o importante para a criança é ter umas boas rotinas e uns bons hábitos.

O jogo pode pôr em risco a autoridade e a educação?

É totalmente o contrário. Não há riscos nos jogos. É a forma mais didáctica de ensinar os nossos filhos.

O que diria aos pais que têm pouco tempo livre?

O importante não é a quantidade de tempo, mas a qualidade. É melhor passar 20 minutos a brincar com os filhos do que uma hora a ver televisão sem comunicarem. Os pais devem fazer um pequeno esforço, mesmo que cheguem cansados a casa.

Os filhos irão agradecer-lhes e crescer melhor, sobretudo psicologicamente. São os pais que fazem os filhos seguros e isto prepara-os para a adaptação à sociedade, onde nem sempre há felicidade e bem-estar.
Texto: Manuela Vasconcelos

Sem comentários: